domingo, 30 de maio de 2010

ISLAMISMO

ISLAMISMO

O Islamismo não é uma religião nova, tem aproximadamente 1500 anos, e é tão antiga quando o cristianismo. Hoje cerca de 1.300.000.000 (um bilhão e trezentos milhões) da população mundial, são mulçumanos. (Um quinto da população do planeta).
Praticamente em todos os paises do mundo existem mulçumanos É a religião que mais cresce. Cerca de 70% dos intelectuais que se convertem a uma crença, escolham o islamismo.
.
Os mulçumanos crêem em um único Deus; nos Anjos; nos profetas que trouxeram revelações de Deus a humanidade; no fim do mundo; no juízo final, onde todos prestaram contas de seus atos a Deus. Deus tem autoridade no destino do homem e na sua morte.
Os profetas que os mulçumanos crêem serem portadores das revelações de Deus são; Adão, Noé, Abraão, Ismael, Isaac, Jacó, José, Jó, Moisés, Arão, Davi, Salomão Elias, Jonas, João Batista e Jesus Cristo. O último profeta de Deus é Mohammad, que revelou as verdades de Deus por intermédio do Anjo Gabriel.

"Islam" (em árabe)significa "submissão", "rendição", "entrega", que é derivada de uma outra palavra que significa paz. No sentido religioso, Islam, significa "total submissão à vontade de Deus".

O Islamismo é uma verdade que Deus revelou ao profeta Mohammad (Maomé), que além de religião é um sistema de vida completo.
Mulçumano" é aquele que faz ou pratica o Islã (Islam).

O Islamismo proíbe o consumo de carne de porco, drogas (produtos que causam dependências), O consumo de bebida deve ser saudável e é uma obrigação levar a vida saudável.

Os mulçumanos acreditam que esta vida é uma provação para uma próxima vida no reino de Deus.



Os mulçumanos seguem o livro sagrado Alcorão (Qur´ãn), que contem a última mensagem revelado por Deus à humanidade.

Mohammad (Maomé)
nasceu em Meca (em árabe Makkah), Arábia Saudita, no ano de 570 d.C. Seu Pai, Abdalá (Abd Allah) faleceu em uma batalha antes de seu nascimento, e sua mãe, Amina morreu quando ele tinha cerca de 6 anos (alguns historiadores acreditam que ela teria morrido semanas após o nascimento de Maomé). Com isso seu tio Abu Talib pertencente a tribo de Coraix, tomou sua guarda. Tornou-se condutor de caravanas que atravessavam o deserto, era considerado um valioso auxiliar de seu tio
Naquela época, os árabes praticavam uma forma de adoração a Deus, centralizada no vale de Meca, no local sagrado da Caaba, uma construção simples em forma de cubo, onde se reverenciava um meteorito negro. Na tradição Islâmica, a "Caaba foi originalmente construída por Adão segundo protótipo celestial e depois do dilúvio reconstruída por Abraão e Ismael". Acabou tornando-se santuário de ídolos, um para cada dia do ano lunar.
Com o passar dos anos, e a medida que ia crescendo, Mohammad passou a ser conhecido pela sua sinceridade, generosidade e probidade, de tal maneira que era procurado pela sua capacidade de arbitrar disputas. Ele apresentava uma personalidade calma e meditativa. Sua natureza era profundamente religiosa. Detestava a decadência de sua sociedade.

Aos 25 anos casou-se com a prima Khadija, e tiveram quatro filho, mas três morreram ainda crianças, vítimas do calor do deserto. Sobreviveu a última, que se chamava Fátima.

Mohammad (Maomé), passou a questionar também as práticas religiosas de seus dias. Forte era o seu descontentamento com a religião árabe, o politeísmo e o animismo idólatras, a imoralidade nas assembléias e quermesses religiosas, a bebedeira, a jogatina e as danças que estavam na moda. Mohammad condenava também o sepultamento em vida de bebês do sexo feminino indesejados, praticados não apenas em Meca mas em toda a Arábia Saudita.

No âmbito político incomodava-se com as incessantes rixas por causa de confessos interesses de religião, honra e poder entre os chefes coraixitas (tribo de Maomé)

E sobre tudo isso ele começou a meditar e a refletir em busca de soluções. As vezes ia na caverna de Gar Hirá, perto do topo da montanha da Luz, próximo a Meca.

Aos 40 anos de idade, quando estava em um retiro meditativo, Mohammad recebeu sua primeira revelação por intermédio do Anjo Gabriel.

Diz a tradição Mulçumana:
"Durante sua meditação, Mohammad recebeu ordem de um Anjo, mas tarde identificado como Gabriel, para que recitasse em nome de Deus. Mohammad não obedeceu, de modo que o Anjo agarrou-o e comprimiu-o tanto que Mohammad não pode suportar. Então e o Anjo repetiu a ordem e novamente Mohammad não respondeu, de modo que o Anjo sufocou-o novamente. Isto ocorreu três vezes, depois o que Mohammad começou a recitar, veio a ser considerado como a primeira duma série de revelações que constituem o Alcorão."

Segundo uma outra tradição, "a inspiração divina foi revelada a Mohammad em forma de soar de uma campainha."

Supostamente as primeiras revelações que Mohammad recebeu foram os primeiros cinco versículos da surata , intitulada AL'ALAC, "O Coágulo (de sangue)"

Al'Alac diz:

"Em nome de Deus, Clemente, Misericordioso.
Lê em nome de teu Senhor que tudo criou;
Criou o Homem de um coágulo.
Lê que Teu Senhor é generoso,
que ensinou o uso do cálamo,
ensinou ao homem o que este não sabia."

Mohammad teria respondido; "Eu não sei ler". Assim ele teve que memorizar as revelações, de modo que pudessem repeti-las e recitá-las.

Os árabes eram peritos no uso da memória, e Mohammad também possuía uma surpreendente memória.

Essas revelações seguiram-se por 23 anos aproximadamente,
de 610 d.C até sua morte 632 d.C.. E o conjunto destas revelações é conhecida como Alcorão.

Mohammad recitava as revelações a quem quer que estivesse por perto. E estes por sua vez, memorizavam as revelações, e assim mantinham-na viva. Nesta época os árabes não sabiam fazer papel, então Mohammad fez com que escribas anotassem as revelações em primitivos materiais disponíveis na região, como, folhas de palmeiras, madeira, pergaminho, omoplatas de camelo. Somente após a morte do profeta que o Alcorão assumiu a sua forma atual, sob a direção dos sucessores e companheiros do Profeta.
Nenhuma palavra das suas 114 suratas foi mudada no decorrer dos séculos. E todo o povo mulçumano tem com principal fonte de fé a leituras destas suratas.

O Alcorão trata de assuntos relacionados com o ser humano; lei, sabedoria, doutrinas, rituais... Mas o tema principal é o relacionamento de Deus com todo o povo humano. O Alcorão também orienta para a criação de uma sociedade mais justa, conduta humana descente e um sistema econômico com fundamentos sociais.
Logo que Mohammad começou a recitar as palavras que ouvira do Anjo Gabriel, e a pregar a Verdade que Deus lhe havia revelado, ele e seu pequeno grupo de seguidores, sofrerão perseguições tão violentas, que em 622 d.C. Deus lhe ordenou que emigrasse para Medina, 400 quilômetros ao Norte. Este evento, a Hégira (migração), marca o início do calendário mulçumano.

Depois de alguns anos, Mohammad e seus companheiros voltaram a Meca, perdoando seus inimigos e estabelecendo o Islã (Islam)

Após a morte do Profeta Mohammad em 632 d.C, com 63 anos de idade, a comunidade islâmica começou a se dividir em duas correntes principais.

* Os Sunitas ou sunni (aqueles que seguem os costumes ,"Sunna" de Mohammad) Escolheram para suceder o Profeta Abu Bakr.
* Os Xiitas. Achavam que o sucessor de Mohammad deveria ser seu parente mais próximo, seu primo e genro, Ali.
Poucas coisas separam os dois grupos na crença.

Logo toda a Arábia Saudita já era mulçumana, e um século depois o Islã se espalhou até a Espanha , e no oriente até a China.
A morte do profeta provocou uma crise. Ele morreu sem deixar descendente masculino e sem sucessor claramente designado. Abu-Bekr, foi nomeado em 8 de junho de 632 d.C. como sucessor do profeta Mohammad (Maomé), por meio de uma eleição, em que participaram líderes presentes na capital, al-Madinah.

O sucessor do profeta seria um governante, um califa (Khalifah). Mas a questão concernente a quem eram os verdadeiros sucessores de Mohammad virou motivo de divisão do Islamismo.

Os mulçumanos Sunitas aceitam a eleição de Abu-Bekr (sogro do profeta) como califa e sucessor de Mohammad. E os califas Omar (conselheiro do profeta) e Otmã (genro do profeta).

Os mulçumanos Xiitas discordam do princípio de cargo eletivo. Os Xiitas acreditam que a verdadeira liderança vem da linhagem sangüínea do profeta, através de seu primo e genro, Ali ibn Ai Talib,
o primeiro Imane (líder e sucessor), que se casou com a filha predileta de Mohammad, "Fátima". Seu casamento produziu os netos de Mohammad, Hasã e Husain.
Os Xiitas afirmam também que desde o início Deus e seu profeta haviam claramente nomeado Ali ibn Ai Talib, como único legítimo sucessor, mas os três primeiros califas sunitas, usurparam seu cargo de direito.

Durante o domínio de Ali ibn Ai Talib o quarto Califa (xiita), surgiu rivalidades entre o governador da Síria, Moávia e sua liderança. Envolveram-se em batalha sangrenta, e para evitar mais derramamento de sangue eles resolver submeter suas disputas ao arbítrio. Mas isto causou indignação de muitos seguidores de Ali, enfraquecendo assim sua liderança. Muitos dos seguidores de ALi, incluindo os Caridjita (Dissidentes), tornaram-se seus inimigos mortais. No ano de 661 d.C. o califa Ali, foi assassinado por um caridjita fanático, com um sabre envenenado. Os dois grupos Xiitas e Sunitas estavam em forte desacordo, daí o grupo sunita do Islamismo escolheu um líder dentre os omíadas (ricos chefes de Meca), que não era da família do profeta.

Para os Xiitas, o primogênito de ALi, Hasã, neto de Mohammd, era o verdadeiro sucessor. Contudo, Hasã renunciou e foi assassinado. Seu irmão Husain tornou-se o novo imame, mas também foi morto, por tropas omíadas, em 10 de outubro de 689 d.C. . Sua morte, ou martírio, como os xiitas encaram, teve um significativo efeito sobre o Shiat Ali (partido de Ali) . Eles crêem que Ali era o verdadeiro sucessor de Mohammad e o primeiro imame (líder e sucessor) divinamente protegido contra o erro e o pecado.

Os Xiitas acreditam que houve apenas 12 verdadeiros imames, e que o último, Maomé al Muntazar, desapareceu em 878 d.C. na gruta da grande mesquita de Samarra, sem deixar descendências. Assim ele se tornou o Mustatir (o imame oculto) ou Muntazar (o esperado).
No seu devido tempo ele aparecerá como Madi (divindade guiado) para restaurar o verdadeiro Islamismo e preparar o mundo para o fim dos tempos.

Anualmente , os xiitas comemoram o martírio do Imame Husain. Fazem procissões em que alguns se cortam com facas e espadas e de outras formas se autoflagelam.
Os xiitas representam cerca de 20% da população mulçumana, os demais mulçumanos são sunitas. Eles são maioria apenas no Irã, Bahrein e Azerbaijão
A Fé Islâmica possui cinco pilares, são eles; a Fé, a Oração, Zakat, Jejum, Peregrinação.



"Não existe nenhuma divindade além de Deus, e Seu mensageiro é Mohammad."

Esta declaração de fé é chamada de Chahada, e em árabe a primeira parte é; LA ILAHA ILAL LAH (Não há outra divindade além de Deus) . A segunda parte é; MOHAMMAD RAÇULUL-LAH, (Mohammad é o Mensageiro de Deus).

"LA ILAHA ILAL LAH , MOHAMMAD RAÇULUL-LAH"



Salat, é o nome das orações obrigatórias que são praticadas cinco vezes ao dia. No Islam não existe padres ou pastores, as orações são dirigidas por uma pessoa que conheça o Alcorão e escolhido pela comunidade.

O significado de uma oração cantada cinco vezes por dia;

DEUS É MAIOR. DEUS É MAIOR.
DEUS É MAIOR. DEUS É MAIOR.
TESTEMUNHO QUE NÃO HÁ OUTRA DIVINDADE ALÉM DE DEUS.
TESTEMUNHO QUE NÃO HÁ OUTRA DIVINDADE ALÉM DE DEUS.
TESTEMUNHO QUE MOHAMMAD É O MENSAGEIRO DE DEUS.
TESTEMUNHO QUE MOHAMMAD É O MENSAGEIRO DE DEUS.
VINDE PARA A ORAÇÃO.
VINDE PARA A ORAÇÃO.
VINDE PARA A SALVAÇÃO.
VINDE PARA A SALVAÇÃO.
DEUS É MAIOR. DEUS É MAIOR.
NÃO HÁ OUTRA DIVINDADE ALÉM DE DEUS.
As orações são praticadas a alvorada, ao meio dia, no meio da tarde, ao crepúsculo e à noite, determinando assim o ritmo do dia todo.


Veja as mais belas orações mulçumanas




Princípio do Islam que afirma; Todas as coisas pertencem a Deus, e que a riqueza portanto está apenas confiada ao homem. Zakat significa, "purificação", "crescimento"

As posses são purificadas com a separação de parte delas para os necessitados. O próprio mulçumano calcula individualmente seu Zakat. Geralmente fica em torno de 1 a 2 por cento do capital . Eles devem também sempre que possível praticar a caridade (Sadaka).

O Zakat seria como o dízimo para os Cristãos, só que este tem destino final na comunidade, e não igreja.



Todo ano durante o mês do Ramadan, todos os mulçumanos jejuam, desde a alvorada até o pôr-do-sol, abstendo-se de comida, bebidas e relações sexuais. Caso contrario devem alimentar uma pessoas necessitada para cada dia não jejuado.



A peregrinação anual a Meca é uma obrigação para aqueles que são física e financeiramente capazes.
Dois milhões de pessoas aproximadamente vão a Meca cada ano, de toda a parte do planeta. Os peregrinos vestem roupas simples, para ficarem iguais perante Deus, independente de classe social e cultura.
- A cada 5 pessoas no planeta, 1 é mulçumanos.
- São 1 bilhão e trezentos milhões de fiéis.
- É a segunda maior religião do mundo.
- É a religião que mais cresce.

Preparando-se para orar
Antes de rezar, mulçumano executa um ritual de limpeza e preparação para a oração, utilizando-se de água. Em locais onde não há água, por exemplo de deserto, a limpeza é feita simbolicamente.
ABLUÇÃO: Ato de lavar-se com água antes de uma prece, simbolizando a purificação.
Antes de entrar na mesquita, retire os sapatos.
Antes da ablução devemos ter consciência da oração e da intenção da mesma. Comece lavando as mãos, repita este processo por três vezes.
Lave a boca com água, repita isto por três vezes.
limpe as fossas nasais, utilizando-se da água.
Lave a face por três vezes.
Lave o ante braço direito e esquerdo, repita isto três vezes
Limpe a cabeça; passa-se a mão direita em cima da cabeça, até onde termina o cabelo, de trás para a frente, uma única vez.
Limpe o ouvido com os dedos e atrás das orelhas, faça isto uma vez.
Lava-se a nuca, uma vez
Lava-se os pés três vezes.